sábado

Cardo Azedo



Nóis já deve munta grana
nas cantina do patrão,
i quanto mais nóis trabaia,
mais nóis tem a ceteza:
num vai dá pra pagá não!

Nóis já nem vai pra casa,
dorme nas prantação,
nas lona de alugué,
tudo cheim de buraco, -
inté dá pra vê o cé...
Si tem chuva nóis se móia,
si invez de chuva tem lua,
nóis lembra que a nossa lida
inté já foi mar bunita...

Nóis tem sardade da vida
que nóis tinha antigamente...
Nos sábos, era só viola...
tocá e cantá na fêra
alegranu os pessoá,
i os minino recoieno,
cheim de sastisfação,
os trocado que o povo
botava nas suas mão.

No finá da tardinha
a muié comprava o sá,
o fubá e a farínia,
i às veiz inté sobrava
uns quequé pra rapadura,
água de xêro i pinga
pra mó de "enchê as muringa".

No redó da tapera
nóis prantava macaxêra
i ia viveno a vida,
qui num era muntio boa...
mar era bem mais filiz.

Agora, tan longe de casa,
nóis dorme nas prantação,
nas lona de alugué,
tudo cheim de buraco
por onde iscorre a chuva, -
água limpa pra bebê.
I si tem lua pra oiá
é soniá, soniá, soniá...
qui é só o qui nóis pode fazê
sem sê obrigadu a pagá...

Di sigunda a sigunda
é prantá i derribá cana
no fio dos nosso facão,
qui uns chama de pexêra
i uns ôtro di catana.

Inhantes do galo cantá
nóis já tá tudo de pé, -
hômi, criança, muié -,
ni dá tempo di rezá...
Mar Nosso Sinhô predôa
i sêmpi abençoa nóis tudo.
Nóis num reza mais nóis sônia,
cada sôniu tan munito
qu´inté parece uma reza...

As carça e as manga cumprida,
i ôtra brusa pru baixo,
proteção pru pescoço,
boné, duas meia furada,
i pano grosso na canela,
que Deus veve no cé,
i o diabo da peçonha
veve mermo aqui na terra;
i é priciso atenção
cum a escapada dos facão.

O só arriba dos quengo
i nóis imbaixo, no corte,...
Os mais forte ganhum mais,
intonce acá num é lugá
pra quem num tem braço forte.

Nóis semu o que pranta, o que cóie,
e tumém o qui queima i recóie, -
nóis semu os burro de carga
aqui dos canaviá.
Nóis nunca tem muntia iscôia...
Ô nóis morre de fome,
ô de tanto trabaiá.

Mar né praga do cé não,
pruque Deus nosso sinhô
nunca se aperreô
pro causo de nóis num tê tempo
pras reza do pensamento.
Di noite, nóis tudo cansado,
os corpo sentinu as dô,
nóis óia pelos buraco
as estrelinha brilhanu,
e sônia, sônia, sônia...
Pruquê nóis ainda sônia
cada sôniu tan munito
qu´ inté parece oração!
I sônia cum o qui quisé...
qu´in sôniu num tem patrão.

ju rigoni (2006)


Amigo(a) Leitor(a):
Minha poesia está sob o olhar de Eliane F. C. Lima, do Literatura em Vida 2. Convido você a clicar num dos linques para conhecer o blogue,


3 Comentários

3 comentários:

Angus disse...

Me fascina la belleza de lo que has escrito.

Eliane F.C.Lima disse...

Nossa, Ju, isso é muito bonito. Engraçado, sinto aqui uma poesia muito diferente das dos outros blogues. E não falo da linguagem, não. A impressão que eu tenho é que, embebida da singeleza do espírito das personagens que cria - posso chamar assim esse eu lírico de seus textos aqui -, você abandona a resistência poética completamente - pode ser, ainda, um restinho de intelectualidade lá - e age com uma emotividade mais solta. O texto recebe esse fato em cheio.
Eliane F.C. Lima

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...


AFECTUOSAMENTE:
DORMENTES


ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE CABALLO, LA CONQUISTA DE AMERICA CRISOL Y EL DE CREPUSCULO.

José
ramón...